terça-feira, 26 de junho de 2018

Viajar na gravidez?




Para começar, é importante lembrar que cada pessoa é única e portanto as exigências perante uma gravidez vão ser diferentes. Ouve o teu corpo. Há quem fique muito cansada logo no 1º trimestre, há quem ande sempre com sono, quem tenha muita fome, enjoos, náuseas e quem tenha mais necessidade de ir ao wc. Nenhuma dessas possibilidades são impeditivo para nada! As coisas conseguem sempre fazer-se com calma e se o quisermos mesmo.

Viajar no 1º trimestre
Marcámos a viagem para a Islândia muito antes de eu sonhar que ia estar grávida. E quando isso foi uma realidade, o desejo de ir era tanto que estava com medo de referir a viagem ao médico só para não ter de ouvir que não devia ir.
Mas não me enchi de medos não fundamentados. Achei que se a gravidez estava a correr bem, não haveria problema algum. Todos os médicos com quem falei até me incentivaram a divertir-me e a aproveitar bastante...Não houve sequer o problema por ser nos primeiros 3 meses em que há risco de aborto espontâneo. Se não tinha tido nenhum problema até ao momento, continuei a acreditar que as coisas correm mal para quem já acha à partida que vão correr mal.
Mývatn Nature Baths: 1º trimestre

Assim sendo, viajámos de avião no primeiro trimestre. Ainda não tinha 3 meses de gestação e a barriga quase não se notava. Mas a gravidez estava lá. Não houve problema nenhum. Nem no avião, nem depois quando alugámos uma carrinha com cama para percorrer a Islândia em 2 semanas.
Tive a sorte de ter uma gravidez santa. Nada de enjoos, sangramentos, alterações de humor ou desejos, portanto, no meu caso, considero que viajar tenha sido fácil!
Caminhei bastante, evitei grandes esforços e principalmente carregar mochilas pesadas - cingi-me ao essencial para não levar muito atrás. De início não precisei de me sentar mais do que precisava antes.
Andámos de barco para observar baleias, estava 1 pouco receosa mas quem se sentiu enjoado foi o pai!
Whale watching na Islândia: 1º trimestre

Alimentação
Na alimentação, as grávidas precisam de tomar algumas precauções. No meu caso, sou imune à toxoplasmose, portanto comi saladas e frutas em todo o lado. Já desde o início do ano que tinha deixado de comer carne e ainda bem que pude não me privar dos vegetais -  algo que eu considero ter sido também a chave para nunca ter tido obstipação durante a gravidez: comer bastantes vegetais cozinhados e diversos.
Mas para quem não é imune, porque não levar consigo o seu próprio desinfetante para as frutas e fazer a comida no apartamento ou hostel onde ficar?
De resto, é bem simples:
- Nos restaurantes, optar por pratos saudáveis e com vegetais bem cozinhados.
- Não comer ovos crus ou mal cozinhados;
- Não comer marisco;
- Beber sempre muita água - preferir água a bebidas açúcaradas;
- Comer frequentemente ao longo do dia;
Quando se quer, tudo é possível, certo?

Dica: iogurtes naturais probióticos e sem açúcar são óptimos para combater infeções urinárias.
A nossa casa na Islândia

Viajar de carro no 2º trimestre
Aos 6 meses de gestação fomos fazer uma roadtrip por Espanha. Partimos de Lisboa e fomos até Granada em 2 semanas. Fomos ficando em hóteis e em parques de campismo quando estávamos fora das cidades. A barriga estava maior e o calor era mais que muito.
Dizem que este trimestre é o mais aconselhável para se viajar.
Precauções: apenas ouvir-me e saber o que precisava. 
- Bebi muita água;
- Evitei caminhar ao Sol;
- Parei mais vezes durante as caminhadas para comer qualquer coisa ou ir ao wc (por causa das infeções urinárias convém não retermos demasiado).
- Quando a viagem de carro era maior, fazíamos paragens frequentes para esticar as pernas.
- Tentei não saltar refeições, alimentar-me frequentemente e não comer apenas as habituais sandes de queijo que nos costumam acompanhar.
Roadtrip Espanha: No carro

Caminhei bastante e senti que, apesar de me sentir bem, o corpo já não acompanha tudo o que queremos. Debaixo de tanto calor parei muitas vezes para descansar e aproveitava para comer um gelado e refrescar-me. Ou seja, tudo foi feito mais devagar, mas nem por isso deixámos de fazer coisas ou nos pareceu mais chato...Pelo contrário!
Sei de outras mães que se fartaram de viajar de avião, carro e barco. Nada é impeditivo se nas nossas cabeças não o for.
Granada: 6 meses

Viajar de avião
Se for para viajar de avião, é importante estar atento às exigências das companhias aéreas porque algumas requerem atestados médicos a partir de determinadas semanas de gravidez e há também um limite de gestação para deixarem viajar.
Acampando no Sul de Portugal: 6 meses

Viajar no 3º trimestre
Continua a ser possível. O Zé nasceu prematuro e como tal, não quis que eu viajasse durante o 7º mês com receio que a bebé também fosse nascer prematura. Mas às 36 semanas ainda fomos até perto de Grândola para um fim-de-semana relaxante no Sobreiras - Alentejo Country Hotel. Só silêncio e piscina. A única preocupação foi encontrar um sítio a não mais que hora e meia de Lisboa pois caso fosse preciso, queríamos conseguir chegar ao hospital.

Sobreiras: 36 semanas

Conclusão: viajar na gravidez, sim. Muito! Se esta assim o permitir e não for de risco.
O melhor conselho: libertarmos a cabeça de pensamentos e medos e aprender apenas a escutar o corpo. É o melhor conselheiro. Repousar quando ele o pedir, parar se doer alguma coisa, ir mais devagar. Mas não deixar de fazer. Tudo isso fará com que a gravidez seja ainda mais extraordinária e nos sintamos bem connosco!

Sem comentários: